Enfermeira é a primeira a receber a vacina no Brasil

Enfermeira de 54 anos atua na UTI do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Ela foi imunizada neste domingo (17) após aprovação de uso emergencial

Mônica foi a primeira a ser vacinada no Brasil (Foto: Amanda Perobelli/Reuters)

“Falo com segurança e propriedade, não tenham medo”. A frase é da enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, primeira pessoa a ser vacinada no Brasil. A enfermeira foi imunizada neste domingo (17) no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

O governo de São Paulo aplicou a primeira dose da coronavac após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovar o uso emergencial da vacina contra a covid-19. A 5ª Regional de Guarapuava recebeu na manhã deste domingo (17) as unidades de insumos para a vacina.

Que a população acredite na vacina. Estou falando agora como mulher, brasileira, mulher negra, que acreditem na vacina. Vamos pensar no monte de vidas que nós perdemos, quantas famílias nós perdemos, quantos pais, mães, irmãos. Eu quase perdi um irmão também com covid. E diante disso é que eu tomei coragem e participei da campanha da vacina.

De acordo com o Portal G1, Mônica foi voluntária da terceira fase dos testes clínicos da coronavac realizados no país e tinha recebido placebo. “Fui muito criticada. Eu recebia piadinhas, memes, mas não dei sequer importância. Me falaram que eu era cobaia de uma pesquisa de vacina”. Além disso, a enfermeira faz parte do grupo de risco para a doença, e atua na linha de frente contra covid-19 no Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Ela mora em Itaquera, na Zona Leste.

Mônica atuou como auxiliar de enfermagem por 26 anos, e se graduou em Enfermagem aos 47 anos. Viúva, ela mora com o filho, de 30 anos, e cuida da mãe, que aos 72 anos vive sozinha em outra casa.

*Com informações do Portal G1

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

PEDÁGIO

Frente Parlamentar pede suspensão de audiências da ANTT

TÔ CANCELADA?

'Dá para cancelar?': como a cultura do cancelamento ganhou visibilidade

VIOLAÇÃO

Assassinato de Sem Terra Antonio Tavares será julgado pela Corte Interamericana

Comentários