Cultura da uva volta a ganhar destaque na Região e em todo Paraná

O programa Revitis já adquiriu mudas sadias e insumos para agricultores de Bituruna, Mato Rico, Boa Ventura de São Roque e Pitanga

Cultura da uva volta a ganhar destaque na Região e em todo Paraná (Foto: Reprodução/Pixabay)

Os vinhos, o vinagre, o suco, a geleia e demais doces da uva são pequenos prazeres que voltam a ganhar destaque no Paraná. Isso porque o Estado está investindo na vinicultura, com o programa Revitis, lançado em novembro de 2019. Neste ano, o programa executou alguns projetos-piloto. Como a aquisição de mudas sadias e insumos para agricultores de Bituruna, Mato Rico, Boa Ventura de São Roque e Pitanga.

Além disso, o Revitis iniciou a capacitação de técnicos e produtores. Só nesta semana, representantes do setor debateram o tema durante uma webconferência. Desse modo, envolvendo também parcerias com o Senar e universidades, com uma série de eventos on-line.

Conforme o presidente do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná Iapar-Emater (IDR-Paraná), Natalino Avance de Souza, o Estado acompanha com preocupação a redução da área e da produção de uva nos últimos anos. Desse maneira, trabalha para reverter esse quadro.

O programa representa a criação de oportunidades no campo, para devolver ao Paraná a sua competência nessa área, fazer essa curva voltar a ser ascendente. Queremos que os produtores saibam que o Estado está com eles nesse momento de retomada.

(Foto: Reprodução/Pixabay)

EXPANSÃO

De acordo com o coordenador do Revitis no Estado, Ronei Luiz Andretta, além das 43 unidades de referência, está previsto para 2021 o desenvolvimento de 40 projetos de fomento. Ademais, a Secretaria de Agricultura lançou um espaço para cadastro de produtores e outros profissionais do setor pelo site.

“O objetivo é formar uma rede de comunicação e divulgar capacitações, eventos e dias de campo. Como o resultados de pesquisa e informações de mercado”. O próximo evento do Revitis está marcado em 26 de novembro. De maneira on-line, vai debater a deriva de herbicidas na viticultura.

(Foto: Reprodução/Pixabay)

PRODUÇÃO

O ano de 2020 é decisivo para os produtores. Durante a pandemia do novo coronavírus, que paralisou os setores de eventos, bares e restaurantes, o Brasil registrou aumento no consumo de vinho. De janeiro a agosto, foram comercializados 313,3 milhões de litros. Representando, 37% a mais que no mesmo período do ano passado, segundo levantamento do Ideal Consulting.

Em virtude da alta do dólar, a expectativa é que haja valorização do produto nacional em detrimento do vinho de países como Chile, Argentina e Portugal. Conforme o engenheiro agrônomo do Departamento de Economia Rural (Deral), Paulo Andrade, o desafio para técnicos, produtores e gestão pública é fidelizar esse novo consumidor. Isso porque ele refinou o paladar e passará a cobrar mais qualidade.

No Paraná, a produção de uva está disseminada na maior parte das Regiões. Entretanto, tanto a área quanto o volume vêm reduzindo nos últimos anos. Atualmente, o Estado tem 3.584 hectares destinados à cultura. Conforme dados do Deral, somam uma produção de 53,1 mil toneladas.

(Foto: Reprodução/Pixabay)

REVITIS

O Revitis tem quatro eixos: o incentivo à produção e a reorganização da comercialização. Bem como, o desenvolvimento do turismo e apoio à agroindústria. Além disso, está em processo de implantação um viveiro em Santa Tereza do Oeste, para produzir material genético de qualidade.

O programa propiciou, ainda, a criação de uma rede de mais de 15 centros de pesquisa, com auxílio do IDR-Paraná. Além disso, estava revista a formatação de 20 roteiros de turismo rural ligado à vitivinicultura. Como a promoção de eventos regionais de enoturismo, cursos técnicos de guias turísticos. Por fim, a capacitação de agricultores e técnicos na criação, gestão e divulgação de roteiros.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Relacionadas

QUE DELÍCIA

Guarapuava tem capacidade para armazenar 10,5 mil toneladas de maçãs

AGRICULTURA

Trigo paranaense abastece mercado interno em janeiro

REPRESENTATIVIDADE DE PESO

'Carta de Guarapuava' pede menor tarifa para o pedágio

Comentários