Reino de Santa Cruz: Palácios, Palacetes e um Antigo Rei que, por lei, não é mais corrupto!

Para aqueles que nunca leram esta coluna lembro que esta é uma obra de extrema ficção sobre um Reino muito distante do real e qualquer semelhança com o Brasil é uma lamentável coincidência.

A cada dia conhecemos um pouco mais de Santa Cruz. Já descobrimos que o Rei Que Fala Demais tem três herdeiros que se fizeram políticos as custas da fama do pai: o Moe, o Larry e o Curly. O Moe progrediu mais que os irmãos e se tornou membro da Casa dos Lordes e está com alguns processos de corrupção nas costas deixados em outro condado em que era parlamentar. Todavia tem conseguido se safar pela influência do Rei, que insiste em não parecer honesto e, também, por algumas câmaras magistradas inferiores. O interessante é que o Lorde Moe é um mago das finanças e mesmo só com um salário (que é nababesco para os padrões do Reino, entretanto, insuficiente para tal) comprou um suntuoso palácio nas cercanias da Vila Real por seis milhões de ducados de ouro, sendo que ele recebe mensalmente cerca de 33 mil ducados de prata. Analisando bem, ele deve ter aprendido como ganhar muito ouro com o filho do Rei Analfabeto I (um gênio financeiro nato!!!!) que durante o reinado do pai e da Rainha Louca que estocava vento, passou de um simples catador de esterco nas baias dos animais do castelo a um megaempresário e latifundiário com fortuna superior a duzentos milhões de ducados de ouro, mas deste filho os folhetins informativos se esqueceram.

Outra coisa que só acontece no Reino de Santa Cruz são os espetáculos panis et circenses que já duram vinte anos agora, já que não era mais possível realizar nas as arenas as lutas de gladiadores e os leões comendo cristãos para entreter a massa manipulável do reino. A atração agora é colocar um bando de pessoas (algumas meio famosas, outras não) desconhecidas entre si que tenham em comum a vontade exacerbada de serem extremamente famosos, mesmo que por 15 minutos, dentro de palacete com jardins onde os participantes são observados 24h por dia pelo cercado que envolve o terreno; ali eles interagem fazendo festas e pequenos atos libidinosos a vista de todos para no fim de semana serem expurgados um a um do palacete. Este tipo de espetáculo, creio, só tem uma coisa positiva: você passa a conhecer as pessoas na sua verdadeira essência quando estas fazem de tudo para ganhar o jogo e os ducados de ouros que vêm com ele.

Uma destas longevas atrações é o “Grande Mano Orwell” onde o povo pôde conhecer a fundo uma pseudo artista rapper de nome Ridicúla-Com-Erre que foi escorraçada da casa como nenhum outro participante o fora anteriormente. A atração concorrente é chamada de “O Feudo” onde vão as semi celebridades do reino tentar ficar mais famosinhas. Diferente da rapper diabólica (que agora fora do jogo é a candura em pessoa), no Feudo venceu a simpatia da funkeira ToTo Nescauzinho, que aparentemente era a mesma pessoa dentro e fora do palacete. Estes espetáculos são tão massificados que você nem precisa colocar a barriga na cerca para saber o que acontece por lá. O boca-a-boca se encarrega lhe informar sobre tudo, mesmo que você não queira saber. E, desta forma, eles continuam dando pão e circo para manter o povo feliz. Será que se faltar pão eles ganharão brioches?

Agora, o que faz o reino de Santa Cruz ser realmente algo tão inusitado, ímpar e tão diferente do nosso querido e próspero Brasil Varonil (!!!!), que torna sua história melhor e mais intrincada do que qualquer conto dos Irmãos Grimm e que o(a) leitor(a) agora vai taxar de história para boi dormir é a real história do Rei Analfabeto I, também conhecido como O Biriteiro que, mesmo sem estudo e borracho, conseguiu convencer Don Canivetin, um magistrado da corte maior, colocado neste posto pela Rainha Analfabeta I, a Deposta (coincidência???), que nunca na verdade foi um juiz de carreira, a decidir de maneira solitária e autocrática que todos os juízes (de verdade!!!) das instâncias inferiores estavam errados e não tinham competência nem conhecimento ao condenar o pobre rei companheiro, mesmo com todas as provas de roubalheira e corrupção contundentes que existiam contra ele e que agora desvaneceram no ar. Os outros magistradinhos que normalmente falam o tempo todo, ficaram caladinhos e coniventes (que bonitinhos dando apoio ao coleguinha). Exceção feita ao Magistrado Don Fala Mansa que mandou soltar um dos maiores meliantes do Reino, mas, criticou a anulação do processo do nine fingers. O antigo Rei agora é considerado legalmente, se é que existe o termo, um Ex Corrupto e já pode pleitear ser Rei novamente para tentar fazer o reino voltar a ser o que era (quem viveu lá sabe como foi).

Sabemos que toda ação tem suas consequências e o Don Canivetin ainda pode vir a ser um herói nacional. Isto porque para um mito existir de verdade ele tem que estar morto ou preso e o poder que o Rei Barbudinho ainda tinha era o de parecer uma vítima do sistema, todo injustiçado pelo perverso Juiz Foro (mais um juiz de verdade!!!) que o condenou, segundo os comedores de embutidos, só porque não gostava dele. Agora livre para reivindicar o trono, todos o verão como ele é na verdade, como se ele estivesse no palacete do Grande Mano Orwell ou do Feudo e ele será derrotado de forma acachapante na batalha do trono, seja quem for o seu opositor. Seu esperado ocaso se dará inexoravelmente e quem sabe o resto das cucarachas encarnadas voltem para baixo das pedras onde merecem estar.

Comentários